Ter um cachorro reduziria o risco de morrer cedo demais ...

Os resultados de um estudo sueco publicado na revista Nature mostram uma correlação entre possuir um cão e reduzir o risco de morrer prematuramente em indivíduos soltos.

Estas são as conclusões de Mwenya Mubanga, a principal autora de um grande estudo realizado em uma coorte de 3, 4 milhões de suecos com idades entre 40 e 80 anos, seguidos por 12 anos e cujos resultados apareceram na muito séria revista científica. Natureza .

O estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Uppsala, na Suécia, foi ainda mais longe. Estabeleceu que os donos de cães de caça, e mais especificamente mestres Beagle, Golden Retriever e cães terrier, estavam entre aqueles com o menor risco de desenvolver doenças cardiovasculares.

Resultados a tomar, no entanto, com pinças. Correlação não significa causa e efeito.

Os resultados do estudo poderiam, no entanto, ser explicados logicamente. Os cães poderiam simplesmente ajudar seu mestre a permanecer ativo, forçando-os a se mover, sair, conhecer mais pessoas ... durante a caminhada diária. Todos esses fatores são conhecidos por melhorar o bem-estar e a saúde em geral.

Outra hipótese apresentada pelos pesquisadores: os cães teriam um papel benéfico na microbiota de seu dono, entendem a flora intestinal que se sabe estar envolvida, principalmente, na imunidade.